. da recorrência

Revisito-te amiúde. És permanência e inevitabilidade. Há algo de profundamente nosso que nunca nos abandona. Que sabemos sem dizer e que aceitamos com conforto. Temos história. Décadas que não são impunes. Partilhamos alma, razão e ser. Sabemo-nos e descobrimo-nos. Sem esforço e com vontade. Partilhámos camas por onde calhou, calcorreámos cidades de rios e deContinue a ler “. da recorrência”

Voltar atrás para seguir em frente?

Os trejeitos estão lá. O falar ininterrupto, o preencher o vazio com voragem. Os teus substantivos, os teus inatismos. A tua construção que nunca cheguei a perceber se é feita para ser fortaleza ou se é de facto simplesmente a tua fundação. Ao fim de algum tempo estava lá até o meu tique de revolverContinue a ler “Voltar atrás para seguir em frente?”