. da recorrência

Revisito-te amiúde. És permanência e inevitabilidade. Há algo de profundamente nosso que nunca nos abandona. Que sabemos sem dizer e que aceitamos com conforto. Temos história. Décadas que não são impunes. Partilhamos alma, razão e ser. Sabemo-nos e descobrimo-nos. Sem esforço e com vontade. Partilhámos camas por onde calhou, calcorreámos cidades de rios e deContinue a ler “. da recorrência”

O caracol do Trindade

Entre a bilheteira e a entrada das salas do cinema Trindade há um caracol. Uma curva que se enrola sobre sim mesma, em madeira daquela à moda antiga, que vai do chão ao tecto. Quem entra pensa que é um daqueles pormenores arquitectónicos que ninguém a não ser quem os desenhou sabem porque existem, masContinue a ler “O caracol do Trindade”

Meia vontade de nada

Acordei às 7h30, mas só me levantei às 9h30. Com meia vontade de tudo. Meia vontade de ler, meia vontade de escrever, meia vontade de sexo, meia vontade de sair. Saí da cama, fui fazendo o pequeno almoço, fui comendo o pequeno almoço, fui tomando banho, fui arranjando o cabelo, fui-me vestindo. Escrevi, troquei meiaContinue a ler “Meia vontade de nada”