jorro

Não consigo parar o meu pensamento, é como um comboio desgovernado, uma avalanche de emoções e ideias encadeadas ininterruptamente, que não consigo parar, abrandar, conter. Às vezes basta perceber que fiz algo tão pueril como um comentário que falhou a marca no Twitter para desencadear uma crise de horas de insónia naquela que era umaContinue a ler “jorro”

Voltar atrás para seguir em frente?

Os trejeitos estão lá. O falar ininterrupto, o preencher o vazio com voragem. Os teus substantivos, os teus inatismos. A tua construção que nunca cheguei a perceber se é feita para ser fortaleza ou se é de facto simplesmente a tua fundação. Ao fim de algum tempo estava lá até o meu tique de revolverContinue a ler “Voltar atrás para seguir em frente?”