O som da tua pele

Acordei contigo nos meus sonhos hoje. Morfeu fez vista grossa quando te peguei na mão e te trouxe para o lado de cá da ombreira do real, directa para a chaise longue da sala, onde te cobri de mantas e te depositei uma chávena de chá no colo. Estás aqui, agora, nesta casa que nuncaContinue a ler “O som da tua pele”

. da recorrência

Revisito-te amiúde. És permanência e inevitabilidade. Há algo de profundamente nosso que nunca nos abandona. Que sabemos sem dizer e que aceitamos com conforto. Temos história. Décadas que não são impunes. Partilhamos alma, razão e ser. Sabemo-nos e descobrimo-nos. Sem esforço e com vontade. Partilhámos camas por onde calhou, calcorreámos cidades de rios e deContinue a ler “. da recorrência”

O caracol do Trindade

Entre a bilheteira e a entrada das salas do cinema Trindade há um caracol. Uma curva que se enrola sobre sim mesma, em madeira daquela à moda antiga, que vai do chão ao tecto. Quem entra pensa que é um daqueles pormenores arquitectónicos que ninguém a não ser quem os desenhou sabem porque existem, masContinue a ler “O caracol do Trindade”

A importância do beijo

um beijo tem o mundo todo lá dentro a Um beijo pode ser lento. Tão demorado que se perde em si mesmo e faz esquecer o tempo. Um beijo pode ser hesitante. Tentativo, tímido e titubeante. Um beijo pode ser sôfrego. Impaciente, voraz, nascido de desejo e desespero imediatista. Um beijo pode ser roubado. ComContinue a ler “A importância do beijo”