Voar

Desta vez, tínhamos escolhido um penhasco. Não importava realmente onde, só precisávamos de rocha alta e mar. Finisterra, arquipélago, cabo do Mundo, a geografia acabou por ser desinteressante, mandámo-nos para a primeira linha de ecrã dos destinos do dia em que nos decidimos a voar para fora do confinamento. Paradoxalmente, quando chegámos, sentimo-nos dentro. DentroContinue a ler “Voar”

O som da tua pele

Acordei contigo nos meus sonhos hoje. Morfeu fez vista grossa quando te peguei na mão e te trouxe para o lado de cá da ombreira do real, directa para a chaise longue da sala, onde te cobri de mantas e te depositei uma chávena de chá no colo. Estás aqui, agora, nesta casa que nuncaContinue a ler “O som da tua pele”